Como manter um homem apaixonado? Domitila já sabia

Todo mundo já ouviu falar na Marquesa de Santos, a famosa amante do imperador Dom Pedro I. Certamente você também ouviu que além de ser a amante preferida do imperador, Domitila exercia uma grande influência sobre ele que, afetava diretamente o cenário político nacional e internacional. Mas definitivamente, você não sabia que Domitila era versada na arte do pompoarismo. Sim, isso mesmo. Domitila sabia muito bem como manter um homem apaixonado!

Vamos revelar algumas das artimanhas usadas pela marquesa para encantar o imperador, o homem mais poderoso do Brasil, naquela época.

 

Prazer, Domitila de Castro

Retratada em vários relatos históricos, como típica paulista de andar faceiro e passo leve que encantava a todos os viajantes, Domitila era frequentemente descrita como uma mulher muito interessante. Ela era alta, possuía os quadris e seios fartos, tinha pele clara, muito bem cuidada, olhos verdes escuros, olhar profundo. Tinha boca bem desenhada, dentes brancos, nariz delicado.

Domitila de Castro sabia como manter um homem apaixonado

Domitila de Castro – A Marquesa de Santos

Além de possuir a típica beleza paulista, Domitila era simpática, espirituosa e muito divertida. Sem sombra de dúvida isso atrai a atenção de qualquer homem.

À primeira impressão, D. Pedro I pode ter ficado atraído por todos os atributos destacados anteriormente, mas com certeza Domitila precisava de muito mais que beleza física para manter o imperador do Brasil interessado nela. Ela teria que dominar a técnica de como manter um homem apaixonado.

 

A descoberta da pompoarista

De acordo com dados históricos encontrados pelo historiador Paulo Rezzutti, não foi só a figura majestosa e soberana de Domitila que deixou D. Pedro I cego de paixão. Relatos indicam que a marquesa de Santos era uma amante que sem igual, especialista em pompoarismo.

Exatamente. A arte milenar do pompoarismo era usada pela marquesa de Santos com maestria. Não tinha como D. Pedro I ficar imune às maravilhas do controle exercido por uma mulher habilidosa em pompoar.

Por mais difícil que possa parecer, mesmo numa época em que a educação feminina era voltada para o aprendizado de corte, costura e bordados, Domitila e suas irmãs tiveram uma educação pouco convencional e altamente eficaz, na arte de amar. Ela sabia como manter um homem apaixonado!

Se pensarmos que as moças paulistas já possuíam uma educação menos ortodoxa que as demais brasileiras, que elas eram polidas, espontâneas e sabiam se portar e, muitas delas ainda se dedicavam as artes da dança e canto, não é assim tão difícil de imaginar, algumas mães preparando jovens moças com as técnicas do pompoarismo para agradar seus maridos no leito conjugal.

 

A técnica de como manter um homem apaixonado

De acordo com o mais recente livro do historiador Paulo Rezzutti, Domitila, a verdadeira história da marquesa de Santos e relatos documentados, atestam a especialidade de Domitila e das mulheres de sua família em pompoarismo.

Dom Pedro Primeiro

Dom Pedro Primeiro

O seguinte trecho mostra o Barão de Marechal citando uma conversa que teve com a mãe de Domitila que, havia lhe confidenciado na maior naturalidade que ela e as filhas eram versadas em romance. O Barão ficou horrorizado quando realmente entendeu ao que a senhora se referia e qual era a verdadeira definição de romance na linguagem dela. A arte de amar e envolver.

P. 134 (…) a mulher estar dotada de forças e trações e contrações poderosas para sorver líquido e apertar e conter sólido, com tão estupendo prazer que nos fazem sofrer, nos enlouquecem, nos fazem gritar e morder como se fossemos lobos.

Não é a toa que a marquesa de Santos foi relatada diversas vezes como uma mulher segura de si e dona de uma altivez comum as paulistas.

 

Domitila, o pompoarismo e a autoestima

Essa segurança só é inerente as mulheres que possuem autoestima elevada e sabem que têm controle sobre seus parceiros. Embora fosse amante, a marquesa sabia como ninguém, que o imperador era louco por ela. Domitila sabia muito bem como manter um homem apaixonado.

As mulheres que praticam o pompoarismo e também seus parceiros são igualmente beneficiadas por um prazer muito mais intenso e prolongado.

As técnicas de pompoarismo possibilitam que a mulher versada nessa arte, comprima, sugue e retenha o pênis durante a penetração com a sua vagina. A sensação para o homem é comparada ao prazer obtido com o sexo oral.

Domitila – Uma Mulher à Frente do Seu Tempo

Tratada pela imprensa do século XIX, como a rameira preferida do imperador, Domitila não se dobrava aos insultos que lhe eram dirigidos.

Vivaz, de olhar expressivo, a marquesa tinha a devoção do imperador.  D. Pedro I era um sedutor incurável, adorava sexo e, obviamente os jogos amorosos de Domitila o amarraram por sete anos, tornando-a a amante mais poderosa da época e o caso deles, o adultério mais famoso do Brasil.

A marquesa sabia manipular o imperador a ponto de fazê-lo se dobrar as suas vontades. D. Pedro I tinha um ciúmes doentio de Domitila e ela dele, e ambos sabiam jogar com o que sentiam.

Frequentemente mimada pelo imperador, a marquesa de Santos, esbanjava uma vida luxuosa repleta de joias, vestidos caros, escolhidos especialmente pelo próprio imperador, carruagens e muitos favores que eram estendidos a sua família.

 

O final quase feliz

Embora o romance entre a marquesa e o imperador tenha sido um amor sem o final feliz esperado nos romances. A relação dos dois estava fadada ao insucesso desde o início, devido aos comprometimentos políticos e sociais do imperador. Eles viveram uma tórrida e louca história de amor, recheada de muita paixão, sexo incrível e muita devoção.

A mulher infame, acusada de derrubar e nomear ministros, teve suas boas ações ofuscadas pela má fama de quebra de decoro, aceita pela sociedade da época.

Domitila foi uma beldade, brilhante e tempestuosa. Inteligente e sagaz, ela enfrentava e amaciava o imperador com a certeza de que o tinha em suas mãos.

Domitila - A Marquesa de Santos

Domitila – A Marquesa de Santos

Ela foi uma mulher de espírito livre que gostava de se divertir e sabia cultivar suas paixões. D. Pedro I foi loucamente apaixonado por ela, a ponto de cometer as maiores imprudências que um homem pode cometer em nome do amor.

A marquesa de Santos foi uma mulher fora do comum. Ela possuía uma personalidade forte que a destacou socialmente e financeiramente, numa época em que as mulheres viviam à sombra de seus conjugues ou pais e não possuíam voz ativa num mundo completamente masculino.

Inteligente, a marquesa de Santos usou a arte do pompoarismo para conquistar o homem que mudaria a sua vida. Ela sem dúvida sabia como manter um homem apaixonado!

Para saber mais sobre o Pompoarismo: Clique aqui.

Para saber mais sobre Domitila: